IMPLANTODONTIA

O QUE É?

O implante dentário tem a função de ser suporte para a reabilitação protética de um ou mais dentes perdidos.

O índice de sucesso do tratamento com implantes é de 98%. Entretanto, para atingir essa eficiência é preciso realizar um diagnóstico preciso, permitindo um planejamento individualizado para cada paciente.

Os recursos tecnológicos, como as tomografias cone beam, nos permitem ter uma visualização 3D das estruturas ósseas, otimizando o planejamento do caso.

O sucesso de tratamento está em conciliar os objetivos funcionais, biológicos e estéticos de cada caso.

 

COMO FUNCIONA O TRATAMENTO?

O processo se inicia com uma consulta inicial, na qual é identificada os motivos e expectativas do paciente.

Nessa consulta, também é realizado um exame clínico detalhado, uma anamnese criteriosa, obtenção de registros do paciente (moldagens, fotos e vídeos) e solicitação de exames conforme a necessidade de cada caso.

Feito isso, é apresentado um plano de tratamento individualizado. O paciente, então, pode esclarecer todas suas dúvidas em relação ao planejamento, execução, tempo e custos do tratamento.

O procedimento de inserção dos implantes pode ser realizado com anestesia local apenas, ou com sedação consciente no consultório.

Os procedimentos com sedação consciente são acompanhados por médico anestesista, com todo equipamento de segurança necessário. Tudo isso, torna o procedimento mais confortável e seguro para o paciente.

 

ENXERTO ÓSSEO E GENGIVAL

O implante dentário necessita de um suporte tecidual adequado para a sua sobrevivência. Porém, algumas vezes, esse suporte ósseo e gengival é insuficiente para a inserção do implante.

Nesses casos, é necessário realizar um aumento tecidual através do Enxerto Ósseo ou Enxerto Gengival.

O enxerto ósseo ou gengival pode ser relizando no momento da inserção do implante ou previamente à colocação do implante, dependendo principalmente da quantidade de aumento tecidual necessário.

Existem vários tipos de procedimentos de aumento ósseo, utilizando o osso do próprio paciente (autógeno) ou osso de origem bovina (xenógeno), com excelentes resultados a longo prazo.